Automni

Tecnologia na Logística: o uso da Robótica em Centros de Distribuição

Os robôs já fazem parte do nosso dia-a-dia. Auxiliam médicos e médicas em cirurgias à distância, apoiam na recuperação de diversos desastres naturais e também, operam em processos produtivos de fábricas e em tarefas logísticas de centros de distribuição. Na sua grande maioria, eles vêm substituindo os trabalhos inseguros, tediosos, repetitivos e perigosos, ao mesmo tempo em que contribuem com o aumento da produtividade e nos permitem fazer mais a cada dia no menor tempo possível.

A Automni promove vários webinares com profissionais do setor de logística onde discutimos tendências e oportunidades para tornar nossa logística mais eficiente, moderna e segura. Dentro da programação do Case Startup Summit, tivemos a honra de ter um bate-papo sobre logística e robotização com o Eduardo Banzato, diretor do IMAM (Instituto IMAM, IMAM Consultoria e IMAM Treinamento) com mais de 33 anos de experiência profissional, mais de 300 projetos implementados nas áreas de Supply Chain, Operações e Desenvolvimento Humano, em empresas no Brasil e América Latina.

Neste artigo, trazemos um resumo editado a respeito dos principais assuntos abordados neste webinar.

Um pouco da história da robótica:

De acordo com o dicionário de Oxford, os robôs são máquinas de diferentes formas e tamanhos capazes de realizar séries complexas de ações automaticamente, especialmente programáveis por um computador. Segundo o Wikipedia, o termo robô foi utilizado pela primeira vez pelo Checo Karel Capek em uma peça de teatro (Janeiro de 1921, em Praga na República Checa). Capek queria chamar as criaturas automáticas da sua peça de “Labori” (em latim, labor, que significa “Trabalho”), mas seguiu a sugestão do seu irmão, Josef Capek, o verdadeiro criador do termo, que os definiu como “Roboti”. A palavra “robô”, derivada de “robot”, tem como raiz a palavra checa “robota”, a qual significa “trabalho forçado, servidão” e tem como uma de suas derivações a palavra “rabu”, que significa “escravo”.

A história da robótica

Ao longo dos anos, os robôs vêm se evoluindo, provendo melhores soluções e sendo mais flexíveis às necessidades da sociedade, ao mesmo tempo que padroniza processos, otimiza atividades e, consequentemente oferece maior nível de eficiência. A área de logística vem se destacando no uso dos robôs, especialmente nas atividades de coleta e movimentação de itens dentro de uma operação logística.

Robotização logística na atualidade

Ao compararmos com os dias atuais vemos um significativo avanço das tecnologias empregadas no setor de logística, muito em função das grandes empresas, como Amazon, Apple, Procter & Gamble, MC Donalds, Cisco, Nestlé, dentre outras que vem investindo em ciência e tecnologia com o objetivo de melhorar sua eficiência e mantê-las líderes em seus segmentos.

Especificamente houve um grande avanço da robotização por parte destas empresas, com o intuito diminuírem o prazo para as entregas, eliminarem erros, diminuírem os custos, melhorarem a qualidade de vida dos colaboradores, garantirem maior segurança das operações e, principalmente, manterem-se competitivas no mercado. Estes e outros fatores fazem com que os sistemas autônomos, em especial a robótica colaborativa, que já era, há anos, uma realidade nas operações fabris viessem para o mundo da intralogística (movimentação e armazenagem).

A Amazon, visando melhorar suas operações, descobriu que mais de 50% do tempo de trabalho de um operador era dedicado ao deslocamento dentro dos centros de distribuição. No ano de 2012, a empresa investiu US$ 775 milhões para comprar a Kiva Systems, uma empresa de robótica inicial com foco em intralogística que desenvolveu robôs inteligentes para centros de distribuição.

Amazon_WareHouse_Robots

E não são somente empresas de grande porte que tem acesso à essas tecnologias em sua estrutura logística. Atualmente, além de investimentos por parte de grandes companhias, vemos movimentos de estudantes e startups desenvolvendo soluções cada vez mais acessíveis e flexíveis para atender também empresas de menor porte. Adicionalmente há um incentivo por parte de empresas e governos no desenvolvendo de tecnologias visando aumentar a competitividade. No Brasil temos como exemplo a “Lei do Bem”, uma iniciativa que visa prover incentivos fiscais a empresas que investem em inovação, além de aproximá-las a universidades e centros de pesquisa.

Por mais que já temos diversos robôs contribuindo para uma logística moderna, mais eficiente e segura, ainda temos alguns desafios:

  • Como estes robôs podem conversar entre si e se entenderem?
  • Como os robôs podem ser cada vez mais flexíveis e capazes se adequar a realidade das empresas e não o inverso?
  • Como melhorar nossa infraestrutura para acompanhar os avanços da robótica?

Estes são alguns dos desafios que a logística nos coloca, especialmente em países onde temos uma infraestrutura com maior precariedade. No entanto, ao analisarmos toda a história da robotização, na medida em que avançamos nas tecnologias, há um esforço pelo aperfeiçoamento em capacitação e infraestrutura para que se mantenham competitivos em nível global. 

Por fim, conforme dito pelo Eduardo Banzato em nosso webinar, vivemos em uma aldeia global. Há diversas empresas investindo em soluções tecnológicas para a logística, há soluções cada vez mais acessíveis, há incentivos e um esforço por parte do Estado em investir em ciência e tecnologia e aqueles que não tomarem a ação de melhorarem os seus processos internos, morrerão. 

Confira na integra o bate-papo que tivemos com o Eduardo Banzato, diretor do IMAM:

Sobre a Automni

A Automni é uma empresa brasileira de alta tecnologia que desenvolve sistemas robóticos inteligentes, permitindo que robôs totalmente autônomos, conhecidos como AMR (Autonomous Mobile Robots) que tem embarcada, além de outras tecnologias, um sistema de navegação de ponta que difere nossos robôs dos veículos guiados automaticamente ou AGVs (Automatic Guided Vehicle). Nossos robôs são desenvolvidos seguindo protocolos rígidos de segurança e estão de acordo com as normativas internacionais e podem movimentar seus produtos em paletes, gaiolas e etc, dos mais variados segmentos como na indústria alimentícia, bens de consumo rápido, FMCG dentre outras. Nosso robôs podem ser integrados ao seu ERP ou WMS (Warehouse Management System) preferido! Já integramos com SAP, Totvs, Senior e diversos outros sistemas e teremos prazer em ajudar você com seu projeto!Algumas vantagens:

✔️ Movimentação de paletes, insumos e produtos sem ocupar seus operadores ou operadoras; 

✔️ Fácil implementação – em 1 mês após fechamento de contrato;

✔️ Sem necessidade de infraestrutura adicional;

✔️Visibilidade de toda operação através de nossos dashboards e torre de controle.

Além de trazermos modernidade e produtividade para a sua operação, eliminamos acidentes relacionados ao transporte de materiais. Os robôs tem componentes de segurança certificados e nunca estarão distraídos caso alguém entre na frente deles. Nossos sistemas permitem ainda, o monitoramento à distância de sua operação, com informação disponibilizada instantaneamente, dando suporte à tomada de decisão baseada em dados (data driven operation).

Conteúdos relacionados

Inteligência Artificial na Logística: você não precisa ser a Amazon para aplicar esta tecnologia Uma das tecnologias da 4º revolução industrial, a …

Inovações NA Logística: 4 tecnologias que sua empresa precisa acompanhar Nos últimos anos estamos presenciando uma mudança significativa na indústria logística. O …

Baterias de Lítio x Baterias de Chumbo: qual a mais relevante para sua empilhadeira ou transpaleteira? Veículos movidos a baterias elétricas tem …

Robótica e Logística: cresça rápido ou afunde lentamente Os robôs já fazem parte do nosso dia-a-dia. Auxiliam médicos e médicas em cirurgias …

pt_BR

JUNTE-SE A NÓS PARA UMA APRESENTAÇÃO ONLINE!

Podemos te mostrar como INOVAR